18 Principais Erros de Startups

18 Principais Erros de Startups

Paul Graham comanda a Y Combinator, uma das maiores aceleradoras de startups do mundo. Misto de investidor, empresário, programador e consultor, já viu inúmeras empresas promissoras desaparecerem rapidamente.

Com a experiência de quem acompanhou tantos enterros de grandes ideias, Graham montou uma lista com os principais – e mais graves – erros de startups. Fique de olho e evite cometê-los.

1. Empreendedor solitário

Se você montou sozinho uma startup, sabe qual é a chance de contar com aporte financeiro de Paul Graham? Zero! Todas as empresas que receberam seu apoio tinham sido fundadas por pelo menos duas pessoas.

2. Localização ruim

Lembre-se que a localização é vital para o sucesso do seu negócio. É mais fácil mudar a empresa de lugar do que mudar a natureza do lugar. Busque funcionar perto de polos tecnológicos ou dos mercados consumidores.

3. Evitar a concorrência

Um erro na maioria das startups é temer a concorrência. Muitas escolhem pequenos nichos de mercado, como se isso fosse livrá-las da disputa pelo consumidor. Só existe uma maneira de evitar a concorrência: tendo ideias ruins. Se forem boas, alguém vai aparecer para brigar.

4. Ideias derivadas

Muitos aplicativos são apenas imitações de algo que já existe. O sucesso da startup não virá da cópia. Ela deve se voltar para um problema ainda não resolvido. Preste atenção naquilo que gera queixas das pessoas. Busque um jeito de resolver o que incomoda.

5. Teimosia

Muitas empresas morrem por não ouvir as sugestões dos clientes. Insistem em estratégias equivocadas, confundindo perseverança com teimosia.

“A abordagem de manter-se firme na sua visão funciona bem para ganhar uma medalha olímpica, onde o problema é bem definido. Startups estão mais para ciência, onde você precisa seguir o caminho para onde ela leva.” – Paul Graham.

Mantenha-se determinado, mas sensível aos feedbacks dos clientes: se necessário, mude o rumo.

6. Contratar maus programadores

É comum o empreendedor contratar alguém tido como bom programador – o que quase sempre não é verdade. Profissionais de alta qualidade não sobram no mercado. Quem não tem experiência em programação dificilmente saberá contratar. O jeito é contar com a sorte.

7. Plataforma errada

Muitas vezes este erro surge por causa de uma decisão errada daquele mau programador contratado. Cuidado com os “especialistas” que anunciam novidades revolucionárias. Como escolher a plataforma correta? Visite um centro de pesquisa e veja com qual o pessoal trabalha.

8. Lentidão no lançamento

As startups vivem adiando o lançamento do software, pois “sempre há algo para melhorar”. No fundo, existe apenas medo da cobrança, da exposição, do fracasso. Se o aplicativo estiver pronto para ser avaliado pelo usuário comum, eis a hora do lançamento.

9. Lançamento prematuro

Aqui o medo cede vez à impaciência. Antes de lançar o software, faça testes com usuários avançados. Eles podem fornecer informações que ajudarão na melhoria do produto.

10. Sem um usuário em mente

Não acredite apenas que alguém, em algum lugar, utilizará o seu produto. Se você não tem ideia de quem seja o usuário, há grandes chances de a startup fracassar.

11. Crescer com pouco dinheiro

Uma startup não nasce gerando lucros. Ela precisa de um tempo de maturação – o que requer apoio de investidores. Aportes financeiros abaixo das necessidades criam problemas. O dinheiro acaba e a startup não tem o que apresentar.

12. Gastar muito

Logo após receber aporte financeiro, a startup começa a contratar equipe e a fazer despesas. Os recursos investidos acabarão e não haverá novos aportes no projeto. Planeje o investimento dos recursos.

13. Levantar muito dinheiro

Se o empreendedor atrai investimentos elevados, a tendência é se considerar um gênio –  antes mesmo de produzir resultados concretos. Lembre-se que você precisa impressionar o usuário, não o investidor.

14. Relação ruim com o investidor

Cuidado para o investidor não se transformar em seu patrão. O empreendedor precisa enfrentar “o cara da grana” e manter as rédeas do negócio. Em uma disputa envolvendo o usuário e o investidor, escolha sempre o primeiro.

15. Sacrificar usuário em troca de lucro

Cuidado com o olho-grande. Obter ganhos financeiros à custa da satisfação do cliente compromete o futuro da startup.  O lucro pode ser recuperado depois. O importante é deixar o cliente satisfeito.

16. Não querer sujar as mãos

Programador gosta de escrever códigos, não de buscar usuários ou tentar vender sua ideia. Mas transitar pelo mundo dos negócios é inevitável, até mesmo para um nerd.

17. Brigas entre os fundadores

Os fundadores de uma startup são pessoas ambiciosas, que querem ver suas ideias colocadas em prática. Pronto, eis os elementos necessários para gerar brigas e rompimentos profissionais.

18. Esforço meia-bomba

Muitos empreendedores não têm disposição para enfrentar desafios. Quando ele divide suas atenções entre a startup e outros caminhos profissionais, normalmente abandona o negócio.

Quer tirar uma ideia do papel ou saber mais sobre empreendimentos digitais? A Bizstart conta tudo. Comente e compartilhe essa ideia com seus amigos!

 

Next Post:
Previous Post:
  • Ricardo Ferreira

    Muito bom artigo. Parabéns

    • http://bizstart.com.br/ Rafael Leite – Bizstart

      Obrigado Ricardo!

  • Tavares C. Gerson

    Excelente!