3 coisas sobre Storytelling que você já deve fazer e talvez não saiba

3 coisas sobre Storytelling que você já deve fazer e talvez não saiba

Se você está empreendendo um negócio já tem tantas coisas com o que se preocupar, não é? O produto, o mercado, o cliente, a estratégia de marketing digital, as ferramentas, enfim, e ainda vem um cara te dizer que é preciso saber contar sua história?

Por Olavo Pereira Oliveira.

Mas, calma lá! Eu não vim ocupar esse espaço aqui para te dizer que você precisa necessariamente fazer algo a mais do que já faz.

Muito provavelmente você já pratica o Storytelling aplicado ao seu novo negócio enquanto empreende.

Logo, vou fazer uma ponte entre conceitos de empreendedorismo e princípios sobre história para te ajudar a enxergar isso.

 

1) Conhecer bem o seu mercado te ajuda a construir um protagonista forte para a história do seu projeto

Como disse o Rafael Leite nesse post aqui, antes de se tornar um expert do seu produto, você deve se tornar um expert do seu mercado, pesquisando e aprendendo sobre ele na prática.

Se você já está fazendo isso, terá na mão informações importantes sobre o perfil do seu cliente e os problemas que ele enfrenta.

A história do seu projeto será sobre essa pessoa ou alguém muito importante para ela.

Não será sobre você, seu negócio, ou seu produto, que entram apenas como os coadjuvantes que ajudam esse protagonista a superar os desafios que você irá apresentar logo no início da história.

 

2) Ter uma proposta de valor bem definida te ajuda a ter clareza sobre o significado da história

Na validação do seu modelo de negócios, um item precioso e complexo de ser identificado é a proposta de valor, tema que o outro Rafael, o Carvalho, desenrosca nesse post aqui.

Mas, uma vez definida a proposta de valor, é dela que você pode extrair insumos para construir, dentro da história, os percalços pelos quais seu protagonista passará e o que ele poderá alcançar com a sua ajuda.

A mensagem principal que a história deixará com o público está diretamente ligada à proposta de valor do seu projeto.

 

3) Teste o seu produto e também a sua história

Se existe o MVP, por que não ter também uma MVS (Minimum Viable Story)?

É a versão “pitch” da história do projeto, que pode ser utilizada no elevador, no café e até no almoço de domingo quando você precisa contar para a sua tia o que você faz. Há dicas boas para um bom pitch nesse post aqui.

Essa história contada de forma sucinta precisa  conter esses elementos essenciais que abordei aqui:

  • um protagonista forte (relacionado ao seu mercado), que enfrenta desafios e consegue, com a sua ajuda, …
  • algo ainda melhor do que o que ele imaginava (relacionado à sua proposta de valor).

Conte essa história várias vezes, obtenha feedbacks, pivote, mude o fim, o início, o meio, e depois dissemine e detalhe essa história em apresentações maiores, vídeos, posts, e-books, enfim, todo e qualquer conteúdo que o seu projeto possa gerar.

 

Espero que tenha identificado aquilo que já tem na mão para saber contar uma boa história a seus clientes, parceiros e investidores. Ou, ao menos, do que precisa correr atrás para chegar lá.

Qual é a história da sua startup? Escreva nos comentários em até 200 caracteres e receba feedbacks!

Texto de Olavo Pereira Oliveira. Jornalista especializado em Cinema e Comunicação Corporativa. Consultor para a SOAP, ensina como utilizar a arte de contar boas histórias para engajar pessoas.

 

Next Post:
Previous Post: