As vantagens do modelo freemium para as startups

As vantagens do modelo freemium para as startups

Empreender na internet requer, como qualquer outra empresa, gerar receita. Seja através da venda de algum produto ou pela oferta de algum serviço, que manterá as despesas em dia e a capacidade plena de execução da equipe. Assim, você precisa criar valor de forma a atrair mais e mais usuários e clientes. Mas nem sempre as pessoas estão dispostas a pagar por um serviço antes de testá-lo. É nesses casos que se aplica o chamado modelo freemium.

Ele é quase um curinga quando se trata de encontrar formas para lançar uma startup. A empresa oferece algum formato de gratuidade, na esperança de que aqueles usuários (ou outros) sejam atraídos para um segundo modelo, pago. Esse, em geral, é chamado premium. Ou seja, ele pode ser usado para eliminar barreiras de entrada. Afinal, não é necessário pagar nada para começar a ser usuário. Sequer é necessário inserir os dados do cartão de crédito.



É claro que, quando o valor de cada usuário é influenciado diretamente pela quantidade de usuários no serviço. Ou seja, o foco é aumentar o número de cadastros e de recorrentes utilizadores. Deve-se facilitar ao máximo o começo deles. Assim, não cobrar pode ser a melhor saída. Elevando o acesso e minimizando a dificuldade de um novo cadastro ser realizado.

Vamos ver como empresas consagradas usam esse modelo?

  • Hubspot: oferece um free trial (teste gratuito) por um tempo determinado;
  • Dropbox: tem uma versão básica gratuita e um modelo premium com oferta maior de capacidade de armazenamento de dados;
  • SurveyMonkey: oferece uma versão da ferramenta gratuitamente e, se o usuário quiser acesso a features mais complexas, precisa pagar;
  • Skype: tem boa parte das funcionalidades gratuitas e oferece serviços extra pagos.

 

É muito interessante ver que esse modelo deu certo para empresas que cresceram tanto. Contudo, apesar de ter ótimos pontos a favor, ele pode vir a não ser o melhor caminho para seu projeto.

Simples, mas não tanto

Oferecer funcionalidades gratuitas no começo permitem validar hipóteses e tirar uma ideia do papel de forma mais rápida. Afinal, não é necessário mais do que um básico MVP para que os primeiros utilizadores se interessem. Ao eliminar a necessidade de pagar para começar, o usuário entra e testa mais facilmente. Ele não estará preso a algum termo de uso, nem terá custo para conhecer o serviço. Basta se cadastrar, fazer login e usar. Simples.

Assim como pode ser mais simples o produto, ele não irá competir com outros serviços mais consolidados e já pagos do mercado. Ou seja, features simples e funcionalidades limitadas podem já ser suficientes para trazer os primeiros usuários. Assim, você pode desenvolver e entrar no mercado de forma mais rápida.

Ao não se preocupar com faturar logo. Será possível esquecer dos problemas operacionais relacionados a isso. Não precisará gerar nota fiscal, calcular o pagamento de impostos sobre vendas e outras diversas coisas. Terá mais liberdade de ação frente ao que quer para o produto. O foco será fazê-lo o mais legal possível e não ganhar dinheiro com ele.

A grande questão, muitas vezes, é afastar o fantasma das métricas de vaidade. Milhares de usuários são comuns em modelos freemium. Mas milhares de pagantes é o que realmente valida o modelo de negócios. Ou seja, é necessário que os empreendedores vejam no modelo premium a essência do negócio e usem a gratuidade como ferramenta de marketing.

A viabilidade do negócio passa pelo dinheiro que ele ganha menos os recursos gastos. O freemium pode fazer com  que a startup alongue o período em que fica sem faturar e isso tem que ser compensado de algum jeito, seja buscando investimento ou fazendo redução de custo, se a opção for pelo booststraping. Fique atento aos custos, mas se acredita que a estratégia é a melhor, vá em frente e boa sorte!

Na sua opinião, quais as vantagens do modelo freemium para quem quer tirar uma ideia do papel? Compartilhe sua opinião com a gente nos comentários!

 

Next Post:
Previous Post: