O time dos sonhos para uma startup

O time dos sonhos para uma startup

Em qualquer empresa, o capital humano pode ser o grande diferencial para o sucesso. No caso de uma startup, a equipe que dá os primeiros passos do negócio deve ser talentosa, competente e ter garra por um time inteiro. Mas como saber se as pessoas que estão ao seu lado são as mais adequadas para encarar os desafios de uma empresa que está só começando? E como desenvolver as aptidões certas para tirar uma ideia do papel?

Em geral, uma startup começa bem enxuta, apenas com os fundadores. Os fundadores são pessoas que criam, executam e investem em ideias para transformá-las em produtos e negócios. Por vezes uma empresa tem um único fundador, mas unir esforços costuma ser o jeito mais viável de tirar uma ideia do papel. Dificilmente uma única pessoa consegue assumir todas as tarefas envolvidas na criação, desenvolvimento e distribuição de uma nova solução.



Muitas startups começam com duas pessoas. Quando você tem duas pessoas na equipe nas fases iniciais, pode ser que a melhor divisão seja: um cuida da construção do produto, o outro de adquirir clientes. Mas nessa configuração pode ser ainda que falte alguém para fazer a ponte entre esses lados – alguém que pense na cara do produto, em como ele irá interessar e manter as pessoas engajadas.

De acordo com Dave McLure, sócio fundador da 500 Startups, além do modelo de negócios repetível e de crescimento rápido (escalável), toda startup precisa de um time mínimo viável, ou MVT na sigla em inglês. Nesse caso, o mínimo não é um, nem dois. Ainda é um time enxuto, que faz muito com poucos recursos – típico do lean startup. Só que seria composto por três pessoas. O que cada uma delas faz e por que merece estar no time dos sonhos? Vale conferir:

1. O hipster

Um misto entre designer e gênio criativo, ele vai garantir a experiência de usuário. Mais que ter um produto final diferente das outras soluções do mercado, o foco dele é melhorar o produto para converter mais e mais usuários.

2. O hacker

O MacGyver da empresa é o cara que, a cada nova ideia que os outros sócios têm,  ele pergunta: “como?”. É que ele é o responsável pelo desenvolvimento. Ou seja, quer tornar o produto uma realidade, uma linha de código de cada vez.

3. O hustler

Tem a tendência de ser o membro mais incompreendido dos três. Quando o hipster vem com uma ideia e o hacker começou a pensar na solução, ele questiona: “legal, mas é algo que nossos parceiros e clientes realmente querem?”. O hustler é o homem dos negócios, responsável pela distribuição.

MVT_Dave_McLure

Mas o que une pessoas por vezes tão diferentes em torno de uma única ideia? Em geral, os cofundadores têm em comum aqueles atributos de todo empreendedor: paixão, determinação, resiliência, agilidade e curiosidade. Também precisam se respeitar mutuamente e confiar um no trabalho do outro. Mas as semelhanças podem parar aí. Não é porque estão criando um negócio juntos que os fundadores precisam dividir igualmente as tarefas. O nível de responsabilidade e o envolvimento podem ser diferentes (e o pró-labore acompanha essa tendência).

Independente da configuração, o trio é capaz de construir o negócio inovador. Eles irão, respectivamente, desenhar, construir e vender a nova solução. Estes três tipos de profissionais são essenciais para alcançar o sucesso desejado.

Então, o que você está esperando? Use as nossas dicas, estude o mercado e monte seu time dos sonhos! 

Next Post:
Previous Post: