Os segredos de um pitch matador para startups

Os segredos de um pitch matador para startups

Se existe o momento crucial para tirar aquela ideia de startup do papel e fazê-la começar a trilhar o caminho do sucesso, é a hora do tão esperado pitch. Essa expressão do inglês tem muitos significados: desde o “arremesso” da bola de basebol até a “afinação” de um cantor. Mas no nosso cenário a palavra possivelmente derivou do “sales pitch” ou discurso de vendas.

Independente do desfecho que você espera, preparar um bom pitch pode mesmo diferenciar sua ideia em meio a muitas outras em um evento ou demoday. O pitch pode mesmo ser um grande gancho de conversas promissoras entre você e possíveis investidores, mentores e (por que não?) futuros membros da sua equipe. Para isso, ele precisa ser bem apresentado e ensaiado.

Pensando nisso, elencamos uma série de dicas para você dar um show no seu próximo pitch. Vamos lá?

1. Comece pelo fim

Você tem dois, três minutos. Às vezes nem isso (os famosos pitchs de elevador acontecem na vida real, acredite). Se você tiver sorte e for muito bom, o público ou o investidor vai lembrar de uma coisa a seu respeito. Não seja mais um cara a terminar dizendo: “por favor, venha conversar comigo após o evento”. Desafie o público a fazer alguma coisa, ofereça um cupom, gratuidade, deixe um call to action. Pense bem nesse fim, ele pode ser o começo da conversa que você realmente estava querendo ter.

2. Capriche no design

Nem sempre você vai poder mostrar uma apresentação ou o chamado pitch deck. Mas se tiver essa oportunidade, aproveite para mostrar nela todas as qualidades intrínsecas ao seu produto, os apelos emocionais que você não vai poder descrever em tão pouco tempo. A nova geração de startups de bilhões de dólares, como Tumblr e Fab, tem um design simples, bonito e intuitivo. Seus slides precisam seguir o mesmo padrão de qualidade para deixar uma boa impressão. Se você não tem um designer na equipe, keep it simple. Use pouco (pouquíssimo) texto, use um fundo simples e limite-se a uma mensagem por slide. Ah, vídeos são arriscados. A não ser que sua startup seja uma empresa de vídeos, evite-os. Se ele for muito bom, pode ser que o público lembre das imagens, mas esqueça de você.

3. Não esqueça o básico

Muitos empreendedores mostram detalhes sobre o problema ou dor real do mercado que vão resolver, como vão fazer isso… E só. Ficam tanto tempo em cima da solução (que é ótima, a gente sabe), que esquecem ou ficam sem tempo de explicar o modelo de negócio, como irão ganhar dinheiro, como os clientes resolvem esse problema hoje (sim, mesmo as empresas mais inovadoras têm concorrentes) e por vezes sequer apresentam a equipe que vai fazer tudo isso acontecer.

4. Faça o follow up

O melhor pitch do mundo não significa nada se você não fechar o negócio. Identifique seus alvos principais e encontre-os. Use a sua equipe para dividir e conquistar, começando da recepção do evento. O tempo é essencial. Caso a pessoa prefira conversar calmamente em outro momento, marque esse almoço ou reunião, prepare informações mais completas e conquiste esse grande cliente!

Essas são só algumas dicas. Um bom pitch passa também por um bom dever de casa: a pesquisa e a validação do seu modelo de negócios. Depois, é treino, treino e mais treino. Nesse sentido, assistir bons pitchs ajuda bastante. O site Bestpitchdecks.com traz alguns bons exemplos que você pode seguir. No mais, tenha em mente que os investidores inicialmente não estão interessados em fazer negócios, mas em ouvir boas histórias sobre negócios.

Você tem um pitch perfeito? Compartilhe suas dicas com a gente aqui nos comentários!

 

 

Next Post:
Previous Post:
  • Pingback: Como funciona um Startup Weekend - Bizstart()

  • http://www.plingideas.com/ Mauro Silva – Pling Ideas

    Tipicamente os empreendedores começam seu pitch falando seu nome e seu currículo interminável.

    Aí já é tarde demais. Devemos lembrar que temos cerca de 8 segundos para colocar o ouvinte num estado de ouvir histórias.

    “1. Começar pelo fim” significa colocar seu ouvinte sob os holofotes. Como? iniciando com algum tipo de pergunta direta e que faça ele refletir. Desta maneira será criado uma conexão entre interlocutor e empreendedor.

    Com isso seu ouvinte vai esperar (ligado em vc) sua próxima frase ser dita.

    []’s
    Mauro Silva
    Pling Ideas
    http://www.plingideas.com

    • http://bizstart.com.br/ Rafael Leite – Bizstart

      Boa Mauro!

      E vale lembrar de algumas técnicas de oratória, que tem tudo a ver com o momento de apresentar a sua empresa, ideia ou projeto:

      – Naturalidade: agir naturalmente, com os músculos do rosto relaxados;
      – Postura: tronco ereto, tórax “aberto”, gestos e movimentos calmos e firmes;
      – Voz: falar pausadamente, com volume adequado ao ambiente e transmitindo confiança (procurando projetar a voz à frente);
      – Respirar normalmente.

      E a dica de ouro: praticar, praticar e praticar!

      Um abraço!

  • Pingback: 3 coisas sobre Storytelling que você já deve fazer e talvez não saiba - Bizstart()

  • Pingback: 3 coisas sobre Storytelling que você já deve fazer e talvez não saiba - Blog de ImpactoBlog de Impacto()