Todas as startups são da área de tecnologia?

Todas as startups são da área de tecnologia?

Muitas pessoas têm a impressão de que todas as startups estão no ramo tecnológico, devido à quantidade de novos negócios ligados a essa área. É o caso dos exemplos mais conhecidos, como Facebook, Twitter, Dropbox, Evernote… A quantidade de mercados promissores para startups do ramo tecnológico também ajuda a reforçar essa imagem: desde comércio eletrônico, a impressão 3D e wearables – peças de roupa ou acessórios com acesso à internet.

Mas essa situação (e repercussão) levanta uma grande pergunta para quem está entrando no mercado agora:

Uma startup precisa ser, necessariamente, de tecnologia?

Imagem 2

Antes de responder essa pergunta, devemos lembrar que uma startup é um empreendimento que busca um modelo de negócios repetível e escalável, enquanto opera em um cenário incerto. Ou seja, deve possuir potencial ilimitado de fornecimento de um mesmo produto em série e conseguir um grande crescimento das receitas, sem que o aumento nos custos o acompanhe.

Outro fator que une estes empreendimentos é a inovação. O termo startup é diretamente relacionado à busca por novos mercados e desenvolvimento de produtos e serviços que sejam visionários. Mas a verdade é que, embora essas características sejam mais facilmente encontradas no atual desenvolvimento de tecnologias, isso está longe de excluir outros mercados para startups.



Nem tudo se resume a tecnologia

SONY DSC

Existem diversas startups que fogem ao padrão de desenvolvimento com base tecnológica. Há startups também no ramo da educação, música e mesmo de cervejas artesanais. A Dreams – arquitetura de ideias, também é um belo exemplo de startup que foge do padrão tecnológico. Essa empresa, focada na criatividade e sofisticação, busca reinventar o mercado de brindes.

Embora as startups de tecnologia estejam em destaque – e em maior número – vale lembrar que um fator fundamental para o sucesso é o conhecimento possuído pelo empreendedor sobre seu mercado de atuação. Não adianta tentar seguir a onda sem conhecer a fundo quem são seus clientes, quais os parceiros em potencial e seus concorrentes, diretos e indiretos.

Portanto, se você é um empreendedor em uma startup, olhe para si mesmo e para aquilo que sabe fazer – o sucesso pode estar bem mais próximo do que se imagina!

Você conhece outros exemplos de startups de sucesso fora do ramo tecnológico? Compartilhe seus exemplos com a gente nos comentários abaixo.

Next Post:
Previous Post:
  • Fabio

    Gostei muito do tema do blog!
    Eu fui aprovado para o programa do Founder Institute aqui em Ribeirão Preto e estou com uma ideia de negocio na área de análise e avaliação de jovens atletas de futebol, mas fiquei apreensivo justamente pela minha ideia não ser necessariamente de tecnologia e ter serviço físico, porém continua a ser inovadora no mercado, enxuta e repetível. Sendo assim ela tem potencial para ser uma startup, certo?

    Seria legal receber um feedback! =)